5 vídeos sobre criatividade, inovação e negócios digitais que mudarão sua vida!

As escolas acabam com a criatividade (Ken Robinson): Sir Ken Robinson defende de maneira divertida e profunda a criação de um sistema educacional que estimula (em vez de enfraquecer) a criatividade

Como construir sua confiança criativa (David Kelley): Sua escola ou local de trabalho é dividido entre “criativos” versus pessoas práticas? Certamente, David Kelley sugere, a criatividade não é domínio apenas de um grupo privilegiado. Contando histórias de sua lendária carreira como designer e sobre sua própria vida, ele oferece maneiras de construir a confiança para exercer a criatividade…

 Sobre criatividade e jogos (Tim Brown): Na conferência Serious Play de 2008, o designer Tim Brown fala sobre a poderosa relação entre pensamento criativo e jogos — com muitos exemplos que você pode experimentar em casa (e um que talvez não deveria).

Cinco maneiras de matar os seus sonhos (Bel Pesce): Todos queremos inventar um produto divisor de águas, abrir uma empresa de sucesso, escrever um livro que atinja recordes de venda. Porém, pouquíssimos de nós alcançam esses objetivos. A empresária Bel Pesce desfaz cinco mitos, fáceis de acreditar, que fazem com que os projetos dos seus sonhos nunca se realizem.

Um criador de aplicativos de 12 anos (Thomas Suarez): Muitos meninos de 12 anos adoram jogar videogames — Thomas Suarez aprendeu sozinho a criá-los. Depois de desenvolver aplicativos para o iPhone como “Bustin Jeiber,” um jogo de “Marrete a Toupeira”, ele está agora usando suas habilidades para ajudar outras crianças a se tornarem criadores.

Playlist TED Talk criada por Roberto Coelho Jr.

5 dicas de marketing para Startups e negócios inovadores conquistarem clientes

Todos nós sabemos as dificuldades que existem para se iniciar um novo empreendimento, quanto mais uma Startup e um negócio inovador, pois em ambos os casos, estamos criando um novo produto, um novo mercado ou as duas coisas ao mesmo tempo. Costumamos dizer que nesses casos, temos um time incrível, um produto revolucionário e uma visão grandiosa, no entanto, ninguém, além de nós mesmos, sabemos disso.

Quando falamos de Startups e negócios inovadores, há certas abordagens tradicionais de marketing que não funcionam tão bem. Outra questão a ser considerada é que novos negócios inovadores e Startups, dificilmente possuem orçamentos que permitem divulgar seus serviços em meios de grande audiência, como rádio e televisão, em horário nobre, por exemplo.

São por esses e outros motivos, que novas estratégias precisam ser utilizadas para gerarmos demanda, criarmos mercado e atrairmos clientes. Nesse artigo, trarei 5 dicas de marketing, utilizadas por diversas empresas de sucesso do Vale do Silício e que podem ser utilizadas por Startups e novos negócios inovadores.

Dica 1: Gere demanda, crie mercado e conquiste clientes, antes mesmo de começar a desenvolver seu produto ou abrir sua empresa

Todo cliente segue alguns passos até que uma venda aconteça. Ele precisa conhecer nossa empresa e nosso produto, como seus problemas serão resolvidos, qual diferença ele percebe em relação aos concorrentes, precisa também admirar a nossa proposta de valor e estar convicto de que a compra será a melhor decisão a ser tomada. Cada etapa exige um grande esforço, no entanto, isso está mais fácil hoje.

Antigamente, realizar pesquisas de mercado, informar e encontrar possíveis clientes e criar protótipos para serem testados, custavam muito caro. Hoje, com o advento da Internet, novas tecnologias e do mundo digital, isso ficou muito mais fácil, barato e rápido de se fazer e aprender.

Sendo assim, mesmo antes de lançar seu produto ou criar sua empresa, inicie contato pessoal e virtual com seus futuros clientes.  Crie protótipos e teste sua aceitação. Verifique se o que você está criando, realmente resolverá os problemas dos clientes e se não há ninguém oferecendo algo similar. Vá para a rua!

Quando comercializamos uma inovação, temos de ter em mente que não são todos que a comprarão assim que ela for lançada. Muito pelo contrário. Trata-se de uma minoria. Detectar quem são os possíveis clientes que são visionários e que gostam de novidades, é muito importante, pois são eles que o ajudarão a desenvolver seu produto e serão seus primeiros clientes e defensores. Encontre eles o quando antes.

Dica 2: Use e abuse do marketing digital e de conteúdo

A Internet mudou a forma de se fazer publicidade. Hoje, podemos apresentar nosso produto e nossa empresa para todos no mundo inteiro, gratuitamente ou a custos bem baixos.

Outra estratégia que funciona muito bem é produzir conteúdo gratuito e disponibilizá-lo na Internet. Além de ajudar na comunicação, você aumenta suas chances de aparecer na primeira página de sites de busca, como o Google, sem precisar pagar nada.

Sendo assim, invista tempo para criar um site, um blog, uma página nas principais redes sociais, como Facebook, Google+, Youtube, Linkedin e Instagram e participe em discussões em fóruns relacionados ao seu negócio ou produto.

Compartilhe seu conteúdo em todos esses meios. Se possível, crie vídeos ou playlists no Youtube e divulgue nas redes sociais. Videos e imagens possuem efeitos poderosos.

E não esqueça: utilize ferramentas de medição, como o Google Analytics, por exemplo, para saber se suas estratégias estão realmente funcionando, pois dependendo do seu negócio, uma estratégia pode funcionar melhor do que outra. O mais importante é aprender muito rápido e agir.

Dica 3: O famoso boca-a-boca é fundamental para o sucesso de Startups e negócios inovadores

Como vimos na dica anterior, a produção e compartilhamento de conteúdo gratuito  é uma estratégia que funciona muito bem. Agora imagine se as pessoas criassem um vínculo afetivo e emocional com o que fora compartilhado por você. Certamente, seu produto ou empresa seriam vistos e admirados por milhares ou até milhões de pessoas.

Outra coisa importante é receber retorno das pessoas que estão testando seus protótipos e aprender rápido. Com isso, esses clientes que estão contribuindo com você, perceberão seu real interesse em resolver seus problemas e podem se tornar seus defensores e propagadores fiéis.

Veja abaixo dois exemplos de campanhas virais que ajudaram a divulgar empresas desconhecidas para todo mundo:

https://www.youtube.com/watch?v=zIEIvi2MuEk

https://www.youtube.com/watch?v=VlOxlSOr3_M

Dica 4: Você conhece e usa o marketing de guerrilha?

Essas estratégias possuem esse nome devido ao sucesso obtido pelos vietnamitas quando lutaram contra o poderoso exército americano. Com a falta de recursos, novas táticas criativas e baratas causaram grande dificuldade para que o exército dos Estados Unidos vencessem a guerra do Vietnã.

Sendo assim, o marketing de guerrilha se apoia em formas criativas e baratas e que produzem resultados tão significativos quanto propagandas realizadas durante a final de um campeonato esportivo.

Como sabemos, uma imagem fala mais do que mil palavras e por isso, seguem alguns exemplos de campanhas de marketing de guerrilha para que você possa se inspirar:

 

Dica 5: Comece o quanto antes

Tudo isso que vimos nesse artigo exige muito esforço, dedicação e persistência. Leva tempo para descobrirmos clientes que gostam de novidades. Leva tempo para conversarmos com as pessoas na rua. Leva tempo para criar conteúdo para mídias digitais. Leva tempo desenvolver nosso produto e adaptá-lo ao que estamos escutando em nossas entrevistas e conversas.

Por isso, tenha paciência e comece o mais rápido possível. E não se esqueça: receberemos muitos “não” e poucos “sim”. Mesmo assim, não desista! É isso que definirá o sucesso de suas estratégias de marketing para Startups e negócios inovadores.

Roberto Coelho Jr.

O dono da idéia é quem a executa e não quem a têm

Após 20 anos trabalhando com tecnologia e inovação, ter acompanhado casos ao redor do mundo e ter testemunhado o sucesso de empresas inovadoras, cheguei à conclusão de que uma idéia pertence a quem a executa e não apenas a quem à concebeu.

De forma alguma estou tirando os méritos das pessoas sonhadoras e visionárias. O ponto aqui é: só isso não basta. É necessária uma boa dose de empreendedorismo.

Uma inovação é o resultado da concepção de uma idéia e do sucesso de sua implementação. Tão simples quanto isso. E é por isso que o empreendedorismo é tão importante nesse caso, pois é ele quem permite a implementação da idéia no mundo real.

O conceito de inovação está intimamente ligado a figura dos empreendedores e infelizmente, essa é uma espécie em extinção. Quero deixar claro aqui, que não estou me referindo aos milhões de pessoas que possuem um negócio próprio. Estou me referindo àqueles que se assemelham aos antigos navegadores, como por exemplo, Cristóvão Colombo, Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral.

Estou falando de pessoas que assumem riscos acima da média e estão dispostas a navegarem pelo desconhecido, em busca de um ideal maior. Quando olhamos para o passado, são esses os empreendedores que efetivamente mudaram nossas vidas e o mundo onde vivemos.

Temos muitos exemplos de sucesso em relação à isso no mundo. Por exemplo, a interface gráfica que conhecemos nos computadores atuais, surgiram nos laboratórios da Xerox. A questão é que a Xerox não fazia idéia de como ganhar dinheiro ou implementar essa idéia no mundo real. Coube a Steve Jobs e Bill Gates fazer isso, de forma brilhante, diga-se de passagem.

Um exemplo nacional é o caso da Embraer. Nosso governo já tinha desenvolvido tecnologias aeronáuticas avançadas, contudo, não estávamos explorando esse potencial. Coube a Ozires Silva mostrar na prática como seria possível criarmos uma empresa, que hoje é orgulho dos brasileiros, a Embraer.

Temos inúmeros exemplos mais para citar e talvez abordemos eles em artigos futuros, pois quero voltar ao objeto principal, ou seja, a propriedade de uma idéia.

Se há algo que me incomoda profundamente é pesquisar domínios na Internet e ver que eles já foram registrados por alguém e que ao entrar no site, tudo o que há é uma mensagem de erro, dizendo que o site não existe. Daí me pergunto: se você não vai executar sua idéia, por que não deixa alguém fazê-lo? Ou por quê não procura alguém complementar para tirar a idéia do papel?

Quer contar para todo mundo que teve uma idéia brilhante? Tire ela do papel, vá para rua e faça ela acontecer!

Roberto Coelho Jr.

A hélice tripla da inovação está ultrapassada!

Para quem não conhece, a hélice tripla da inovação (triple hélix) foi desenvolvida por Henry Etzkowitz e Loet Leydesdorff e se baseia na perspectiva da Universidade como indutora das relações com as Empresas (setor produtivo de bens e serviços) e o Governo (setor regulador e fomentador da atividade econômica), visando à produção de novos conhecimentos, a inovação tecnológica e ao desenvolvimento econômico. A inovação é compreendida como resultante de um processo complexo e dinâmico de experiências nas relações entre ciência, tecnologia, pesquisa e desenvolvimento nas universidades, nas empresas e nos governos, em uma espiral de “transições sem fim”.

A figura abaixo resume o que é a hélice tripla da inovação:


Hélice tripla da inovação

Há modelos mais recentes que incluem investidores e os usuários, conforme a figura abaixo:

Hélice tripla da inovação expandida

Na minha visão, esses dois modelos estão totalmente ultrapassados e não refletem a realidade prática.

Ambos os modelos desconsideram dois grupos fundamentais e centrais no modelo, que são os empreendedores e suas Startups, bem como os clientes (usuários que pagam pela inovação).

Segundo um estudo do MIT, 93% da inovação vêm de fora de empresas estabelecidas. É isso mesmo, 93%! E isso têm um motivo: organizações e industrias estabelecidas não correm muitos riscos, algo inerente na inovação. Além disso, bancos privados desejam receber dividendos, o mais rápido possível, ou seja, também não desejam correr muito risco.

Sendo assim, resta para o Governo, Startups e Usuários avançados o privilégio de inovar, pois esses podem correr e assumir mais riscos. Por exemplo, você sabia que grande parte das funcionalidade de um iPhone foram desenvolvidas pelo governo norte-americano? A Apple apenas aprimorou e combinou o que havia sido desenvolvido por orgãos governamentais, como a Darpa (criadora da Internet).

E que tal citarmos o exemplo de algumas Startups de sucesso e que a inovação faz parte de seu DNA: Facebook, WhatsUp, Google, Waze, Instagram, Netflix, Drop Box, entre outras.

Defendo também que empresas estabelecidas passem a considerar a inclusão e implementação do processo de inovação digital em suas corporações, pois caso contrário, continuaremos a ver Startups a acabarem com empresas estabelecidas num piscar de olhos.

Sou a favor de que o Governo, Empresas, Universidades, Investidores, Usuários, Clientes e Startups estejam cada vez mais integrados e unidos pela geração de inovação contínua, investindo especialmente em educação e empreendedorismo, pois essa é uma excelente forma de criarmos novos mercados, gerarmos mais riqueza, distribuirmos a renda de forma mais justa, sem precisarmos de programas puramente sociais não efetivos e permitirá descobrirmos maneiras de sobreviveremos no longo prazo, combatendo a falta de água, comida e condições para nossos filhos e netos viverem.

Roberto Coelho Jr.